Há Tourada na Aldeia

Facing the Bulls Eyes

Sinopse

Todos os anos, na Beira Alta, a província com maior índice de desertificação, treze aldeias da raia rejuvenescem para uma tourada com caracteristicas únicas no mundo: a Capeia Arraiana. Os mordomos preparam a festa e contribuem para o património etnográfico, iniciando um ritual de emancipação onde se vêem confrontados com a força do touro. 

 

Vários homens envergam o “forcão”, objecto rudimentar feito de madeira, e lidam os touros que são trazidos, muitas vezes, de Espanha. As aldeias competem entre si à procura da “melhor Capeia do ano”. 

Beira Alta. Raia. 

Every year, in Beira Alta, the province with the highest rate of desertification, thirteen villages of the border rejuvenate a bullfight with characteristics unique to the world: the Capeia Arraiana. 

The butlers prepare the party and contribute to the ethnographic heritage, starting a ritual of emancipation where we can see confrontations with the force of the bull. 


Several men wear the "Forcao" a rudimentary object made of wood, and fight the bulls that are brought in, often from Spain. 

The villages compete against each other in search of "best Capeia of the year”.

Beira Alta Border.

 

 

Há Tourada na Aldeia - texto

Na cultura lusitana, a tourada remonta aos inícios da construção da nacionalidade. Existem documentos que demonstram que nos finais do século XII e princípios do século XIII esta actividade era utilizada como forma de treino para quem seguia para a guerra.

 

Podemos assim, compreender a sua importância na sociedade portuguesa ao longo dos séculos, é claro que entretanto, como outra qualquer actividade, ela evolui, transformou-se, esteve na moda esteve fora dela, e actualmente é comparada aos jogos de futebol.

 

Quem a defende, é um público esclarecido, exigente e motivador de massas, alegando que ver uma tourada é muito emocionante.

 

Nos dias que correm, pode-se ver as bancadas cheias, de gente, de aplausos, e de muita emoção, com “Olés”, e, sobretudo, verifica-se que nestas bancadas está sentado um público cada vez mais jovem e interessado.

 

A par desta transformação do conceito de Tourada, está a mais recente notícia do interesse tauromáquico nas artes, tendo actualmente assento no Concelho Nacional de Cultura, um grande passo para quem tanto lutou para tal.

 

Adjectivam a Tourada como expressão de arte, como inteligência, força, coragem, imponência, nobreza. Como se estivéssemos a assistir a um momento de poesia, numa obra da tragédia clássica, num épico gesto de guerreiro.

 

Tradição, cultura, enraizamento, são as palavras que melhor caracterizam este movimento que se aperfeiçoa, apaixona os que nela fazem parte e arrasta outros que num conjunto de emoções ficam rendidos.

 

Há Tourada na Aldeia, é um filme, que personifica, esta pratica, como meio social, cultural e ideológico. Mas, centra o assunto na Capeia Arraiana que é uma prática de toureio única no mundo, onde vários homens erguem o forcão com o qual enfrentam os touros trazidos muitas vezes de Espanha às escondidas.

 

Há Tourada na Aldeia é um filme onde as pessoas saem à rua, vestem as suas melhores roupas, os filhos da terra voltam e num misticismo renasce a união de uma aldeia de uma tradição comum, que os alimenta a todos a alma.

 

Conscientes que desenvolvem uma tourada única no mundo, a Capeia Arraina, com uma tradição com raízes ancestrais, esta é aguardada ansiosamente pelos seus habitantes.

 

Mas mais que um espectáculo é uma forma de ser, de estar, de viver. Há Tourada na Aldeia, é apenas um pequeno gesto numa cultura que se afirma de massas, no presente e no futuro.